O que é foliculite e como preveni-la?

No Brasil, mais de 2 milhões de pessoas sofrem com a foliculite. A infecção de pele atinge locais do corpo com mais ascendência em pelos, como rosto (na região da barba), pescoço (próximo ao cabelo), coxas e virilha. 

A inflamação dos folículos pilosos (onde nascem os pelos) é caracterizada por pequenas bolinhas, parecidas com as espinhas, e pode ser motivada por bactérias, fungos ou mesmo pelos encravados, causando coceira e, às vezes, dor no local. A boa notícia é que a condição é facilmente diagnosticada e, com alguns pequenos cuidados caseiros, é simples evitar esse problema.

Por isso, fique atento a este artigo para entender melhor o que é a foliculite, suas causas e os hábitos que deve ter para não precisar passar por esse desconforto.

O que pode causar a foliculite?

O aparecimento da foliculite é comum nas áreas que sofrem com atrito ou com a depilação e raspagem dos pelos. O uso de forma incorreta da lâmina, por exemplo, em áreas como virilha ou na região da barba, pode acarretar no encravamento do pelo e, consequentemente, sua inflamação. Neste caso, é importante observar a direção do crescimento do pelo, ou seja, para fazer a raspagem no mesmo sentido, e não acentuar sua curvatura, causando, assim, a piora da inflamação.

As formas mais graves da foliculite acontecem quando ocorre infecção por bactérias ou fungos, em áreas do corpo que ficam mais abafadas pela roupa e suscetíveis a transpiração excessiva, ou também em situações de higiene inadequada e falta de cuidados com a pele.  Nesses casos ou quando a condição é recorrente, um dermatologista pode indicar antibióticos ou outros medicamentos e cosméticos tópicos.

O mais importante é identificar cedo as lesões para começar o tratamento adequado o quanto antes. A demora no diagnóstico pode levar a outros problemas como furúnculos ou lesões permanentes na pele. 

Fatores de risco: qualquer pessoa pode desenvolver foliculite, mas certos fatores podem tornar uma pessoa mais suscetível à doença, tais como:

  • Diabetes;
  • Leucemia crônica;
  • Transplante de órgãos;
  • Infecção por HIV;
  • Condições de pele pré-existentes, como acne ou dermatite;
  • Trauma da pele associada à lesão ou cirurgia;
  • Uso de antibióticos para tratar acne;
  • Corticoterapia tópica;
  • Obesidade;
  • Alterações hormonais.

Como evitar a foliculite?

A prevenção da foliculite é baseada em cuidados caseiros e uma atenção constante com a limpeza e a remoção dos pelos, para não lesionar a pele. Confira quais são eles:

  • Manter a pele limpa, seca e livre de escoriações ou irritações 
  • Evitar lavagens antissépticas rotineiramente, pois deixam a pele seca e eliminam as bactérias protetoras.
  • Manter a pele hidratada.
  • Tomar cuidado ao fazer a barba, usar gel de barbear, espuma ou sabão para lubrificar as lâminas e evitar cortes.
  • Para quem tem propensão à foliculite na barba, o mais indicado é usar barbeador elétrico.
  • Usar roupas com tecidos que permitam a transpiração.

Como é o tratamento?

O tipo de infecção e sua gravidade influenciará no tratamento. Em alguns casos superficiais, as bolinhas podem até desaparecer sozinhas, mas se a causa da foliculite for bacteriana ou viral, e não for tratada da maneira correta, o problema pode voltar. Nos casos da foliculite profunda, deve-se atentar para os fatores de risco, e o tratamento exigirá acompanhamento médico. 

Superficiais: 

Foliculites bacterianas (causada por bactéria): podem ser tratadas com antibiótico tópico, oral ou uma combinação dos dois. Recomenda-se evitar raspar/barbear a área, até que a infecção regrida. 

Pseudofoliculite da barba (causada por encravamento dos pelos): trocar a lâmina pelo barbeador elétrico pode ser uma opção. Usar água morna ao barbear-se; massagear os pelos para que fiquem mais amolecidos; e passar o barbeador sempre no sentido do crescimento dos pelos. Após terminar o processo, passar um hidratante. 

Foliculite Pitirospórica (causada por fungos): antifúngicos tópicos ou orais são os mais eficazes para este tipo. 

Profundas:

Furúnculos e carbúnculos (agravamento que acomete o folículo como um todo): o médico pode drenar a infecção com uma pequena incisão para aliviar os sintomas. Pode ser necessário o uso de antibióticos para ajudar na melhora dos sintomas. 

Foliculite eosinofílica (em pacientes com HIV): os corticosteróides são o melhor tratamento. Em casos graves é necessário entrar também com a medicação oral e anti-histamínicos.

Uso de dermocosméticos capilares é opção prática para evitar e amenizar os sintomas da foliculite

Usar bons produtos para higiene e caprichar na hidratação são os primeiros passos para uma rotina de cuidados e proteção da pele e dos fios. Por isso, a linha New Hair, da Anne Caroline Global, combina a ação de ativos que atuam diretamente na saúde capilar e mantém a barreira de proteção natural da pele.

O Shampoo New Hair, além de remover a sujeira e oleosidade do cabelo e da barba, também hidrata profundamente a pele, para suavizar o contato com a lâmina de barbear, evitando a irritação ou inflamação dos folículos. Seus compostos, Éster de Xilitil e Xilitol, também reduzem a ação do hormônio DHT, considerado um dos responsáveis pela queda de cabelo. 

Para saber mais sobre os produtos Anne Caroline Global, acesse: https://brz.annecarolineglobal.com/ 

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *